MGLU3 R$ 8,14 +0,99% DÓLAR R$ 5,61 -0,06% EURO R$ 6,32 -0,40% ITUB4 R$ 23,12 +1,36% BBDC4 R$ 20,72 +1,47% PETR4 R$ 29,23 +2,67% IBOVESPA 103.910,21 pts +1,65% ABEV3 R$ 16,77 +0,48% GGBR4 R$ 26,38 +3,25% VALE3 R$ 70,42 +2,59%
MGLU3 R$ 8,14 +0,99% DÓLAR R$ 5,61 -0,06% EURO R$ 6,32 -0,40% ITUB4 R$ 23,12 +1,36% BBDC4 R$ 20,72 +1,47% PETR4 R$ 29,23 +2,67% IBOVESPA 103.910,21 pts +1,65% ABEV3 R$ 16,77 +0,48% GGBR4 R$ 26,38 +3,25% VALE3 R$ 70,42 +2,59%
Delay: 15 min
Últimas notícias

Reforma tributária deve vir antes de autonomia do BC na fila de prioridades

(Estadão Conteúdo) – Defendida por agentes do mercado financeiro e uma das bandeiras da equipe econômica do governo Jair Bolsonaro, o projeto de autonomia do Banco Central (BC) deve avançar na Câmara só após a reforma Tributária andar, no que depender do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Para ele, o projeto sobre a instituição presidida por Roberto Campos Neto não é urgente no curto prazo.

“Aceito votar autonomia do Banco, aceito, é claro, votar os depósitos voluntários, mas aí temos que organizar melhor a pauta até o fim do ano. É só o governo ter boa vontade na reforma tributária”, disse Maia, ao participar, hoje, de evento organizado pelo Itaú. “A reforma tributária tem importância muito maior que autonomia do Banco Central”, disse.

O projeto de autonomia do BC foi aprovado na terça-feira (3) pelo Senado e agora precisa do aval dos deputados para virar lei. O texto mantém o controle dos preços como objetivo central, mas inclui ainda duas novas metas acessórias, sem prejuízo à principal: suavizar as flutuações do nível de atividade econômica e fomentar o pleno emprego no País. O governo concordou com a redação da proposta, apesar de o BC ser historicamente contrário a ampliar o escopo da atuação.

Invista com o apoio de conteúdos exclusivos e diários. Cadastre-se na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos