Publicidade

Investimentos

O rebaixamento de rating dos EUA afeta os investimentos? Entenda o que isso significa

Além da demoção na nota de crédito, a Fitch afirmou que a taxa de juros americana deveria ser ampliada

O rebaixamento de rating dos EUA afeta os investimentos? Entenda o que isso significa
Foto Envato Elements)
  • Os mercados globais reagem, de forma negativa, à notícia de que os Estados Unidos, a maior economia do mundo, teve seu rating de crédito rebaixado pela agência Fitch
  • Nasdaq e NYSE despencam nesta quarta-feira (2) em reação ao rebaixamento, com desvalorizações de 2,50% e 1,03%, respectivamente
  • Economista explica que a principal forma que o rebaixamento nos ratings pode afetar os investimentos e as bolsas nos países é por conta dos fundos de pensão e de investimentos

Os mercados globais reagem, de forma negativa, à notícia de que os Estados Unidos, a maior economia do mundo, teve seu rating de crédito rebaixado pela agência de classificação de riscos Fitch, na noite de terça-feira (01). A nota foi de de AAA para AA+ (com perspectiva estável). Mas, como isso afeta os investidores?

A Nasdaq e a NYSE, as duas principais bolsas americanas, despencam nesta quarta-feira (02) em reação ao rebaixamento, com desvalorizações de 2,50% e 1,03%, respectivamente. Na Europa, o índice Stoxx 600 também acumulava perdas, de 1,35%.

O Ibovespa também teve seu desempenho prejudicado, acumulando queda de 0,75% às 13h10. A influência das bolsas internacionais no desempenho dos ativos domésticos ofuscou a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que tem a possibilidade de reduzir nesta quarta-feira (2) a taxa Selic, que permanece inalterada em 13,75% há mais de um ano.

Publicidade

Invista em oportunidades que combinam com seus objetivos. Faça seu cadastro na Ágora Investimentos

Para Carla Beni, economista e professora de MBAs da Fundação Getúlio Vargas, a queda nas bolsas era esperada com o rebaixamento, mas não há necessidade de se desesperar.

“Em um primeiro momento as bolsas vão ter essa queda mais abrupta, mas depois elas vão reajustar. A queda de AAA para AA+ com estabilidade não é um escândalo, essa ainda é uma nota muito alta, e no médio prazo não haverá um impacto grande para os investidores”, disse.

“A economia americana está com um dos menores desempregos da história, o Produto Interno Bruto (PIB) está subindo no começo do ano, então o mercado americano está aquecido. Macroeconomicamente não tem muito sentido esse rebaixamento”, completou.

A própria secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, discordou do rebaixamento. “Discordo fortemente da decisão da Fitch Ratings. A mudança anunciada pela Fitch Ratings hoje é arbitrária e baseada em dados desatualizados”, afirmou em comunicado.

No entanto, para Leandro Petrokas, sócio da Quantzed, é necessário ter cautela ao analisar esse rebaixamento. “Com o rebaixamento, os investidores ficam mais cautelosos e seletivos nos projetos de investimentos das empresas. Ainda é cedo para mensurar os reais impactos, mas há possibilidade de o cenário se deteriorar”, explicou.

Como o rebaixamento afeta os investimentos?

Beni afirma que a principal forma que o rebaixamento nos ratings pode afetar os investimentos e as bolsas nos países é por conta dos fundos de pensão e de investimentos.

Publicidade

Nos estatutos deste fundos, há determinações que versam sobre os locais onde o capital pode ser aplicado, e uma das condicionantes são as classificações de risco destes países. Dessa forma, as agências de risco são utilizadas como um sinalizador de onde investir.

Ou seja, ao ser rebaixado, países podem perder investimentos desses fundos, como estipulado em seus estatutos. A professora da FGV ainda destaca que a classificação tem mais peso para países na categoria B, como é o caso do Brasil.

Beni também alerta que é necessário ter parcimônia ao analisar as notas dadas aos países. “Nesse caso dos Estados Unidos é necessário ter calma, foi apenas uma agência de risco que classificou dessa forma e a nota ainda é alta, se fossem três ou quatro agências seria diferente, e ainda assim não seria o fim do mundo”, explicou.

Já Petrokas, da Quantzed, pontua que com o rebaixamento também há um acirramento na disponibilidade de crédito, o que pode diminuir os investimentos das empresas.

Web Stories

Ver tudo
<
>

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos