ITUB4 R$ 24,90 +0,57% DÓLAR R$ 5,51 +0,00% EURO R$ 6,42 +0,44% MGLU3 R$ 14,32 -1,65% BBDC4 R$ 21,70 +1,97% GGBR4 R$ 28,17 +0,00% IBOVESPA 114.428,18 pts -0,19% PETR4 R$ 29,49 -0,37% ABEV3 R$ 15,62 +0,58% VALE3 R$ 79,90 -0,97%
ITUB4 R$ 24,90 +0,57% DÓLAR R$ 5,51 +0,00% EURO R$ 6,42 +0,44% MGLU3 R$ 14,32 -1,65% BBDC4 R$ 21,70 +1,97% GGBR4 R$ 28,17 +0,00% IBOVESPA 114.428,18 pts -0,19% PETR4 R$ 29,49 -0,37% ABEV3 R$ 15,62 +0,58% VALE3 R$ 79,90 -0,97%
Delay: 15 min
Mercado

Vacina da Pfizer e vitória de Biden levam mercados a enxergar o futuro

Semana começou com mais clareza em duas das grandes incógnitas do momento: eleição dos EUA e combate ao coronavírus

A Pfizer anunciou resultados animadores das pesquisas com a vacina contra covid-19 e permitiu aos mercados globais enxergam o futuro. (Dado Ruvic/ Reuters)
  • Eficácia de 90% da vacina da Pfizer e vitória de Joe Biden trouxeram alívio a Wall Street
  • Investidores passaram a vislumbrar um futuro de retorno à normalidade, o que puxou para cima as bolsas do mundo todo
  • Judicialização da eleição americana e risco de nova onda de covid-19 ainda são ameaça aos mercados

(Matt Phillips, The New York Times) – Nada arrasta mais um mercado do que a incerteza. Então, na segunda-feira (9), quando a clareza emergiu por volta de duas das preocupações mais urgentes do ano – as eleições nos Estados Unidos e o coronavírus – os investidores soltaram o equivalente a uma ovação nas ruas e correram para comprar ações, apostando em um retorno à normalidade.

O índice S&P 500 disparou depois que a Pfizer anunciou resultados positivos de seus primeiros testes com a vacina contra covid-19. A notícia veio dois dias depois de Joe Biden ser declarado presidente eleito, pondo de lado por ora o espectro do caos e da agitação política que muitos investidores temiam que se seguiria a uma derrota do presidente Donald Trump.

Os mercados já estavam em alta, os investidores se animaram com a possibilidade, na semana passada, de que JoeBiden ganharia a presidência e que os republicanos poderiam manter o controle do Senado.

Muitos investidores veem um governo dividido como um desenvolvimento positivo porque controlaria as prioridades democratas, como impostos mais altos e grandes revisões regulatórias, que alguns consideram um risco potencial para os preços das ações. Esse raciocínio está parcialmente por trás da alta de 7,3% do S&P 500 na semana passada, seu melhor desempenho semanal desde abril.

“Há uma sensação palpável de alívio no mercado hoje, e esse é o sentimento dominante”, disse Kate Moore, estrategista do Fundo de Alocação Global da BlackRock. “Alívio por termos tido uma eleição ordeira. Alívio porque os dados da vacina são mais fortes, pelo menos da Pfizer, do que muitos anteciparam.”

Leia também: As novas perspectivas do Ibovespa com a vitória de Biden nos EUA

Eficácia de 90% da vacina da Pfizer surpreendeu o mercado

O ímpeto ganhou força quando, pouco antes das 7 da manhã de segunda-feira, a Pfizer e sua parceira alemã, BioNTech, disseram que sua vacina demonstrou 90% de eficácia em testes clínicos. Enquanto os analistas há muito supunham que uma vacina emergiria de muitos candidatos atualmente em testes, a taxa de eficácia foi significativamente maior do que muitos esperavam.

A taxa mais alta, disse Ajay Rajadhyaksha, analista macroeconômico do Barclays em Nova York, foi uma “surpresa positiva significativa” que “aumenta as chances de um retorno mais rápido à normalidade”.

Trader observa o comportamento das ações da Pfizer na Bolsa de Nova York. (NYSE/ The New York Times)

O S&P 500 disparou quase 4% após a abertura das negociações em Wall Street, antes de perder força no final do dia e fechar 1,2% em alta. O mercado desistiu de 1 ponto percentual de ganhos na meia hora final de negociação, depois que o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, disse que Trump estava “100% dentro de seus direitos” ao desafiar o resultado da eleição, um lembrete aos investidores de que a incerteza política poderia permanecer.

A média industrial do Dow Jones saltou quase 3%, liderada por um ganho de 21% para a American Express, enquanto a Boeing subiu 14%. O índice Russell 2000 de ações de pequena capitalização, com foco doméstico, aumentou 3,7%.

Investidores compram hoje pensando no mundo de daqui alguns meses

Com poucas mudanças no terreno, a exuberância do mercado pode ser confusa. Afinal, os Estados Unidos ainda estão estabelecendo recordes de novos casos de coronavírus, a economia ainda está em recessão e pode levar meses até que uma vacina esteja amplamente disponível. Mas, por sua natureza, o investimento olha para o futuro e, na segunda-feira, os investidores baseavam suas compras e vendas nas expectativas de como o mundo poderia ser em alguns meses, e não no que parece hoje.

“Qualquer investimento ou ação que vai bem quando as pessoas podem se reunir pessoalmente teve um desempenho significativamente melhor hoje”, disse Moore, da BlackRock.

A Carnival, linha de cruzeiros, cresceu quase 40%. Simon Property Group e Kimco Realty, que possuem shopping centers, aumentaram 28% e 32%. O promotor de shows Live Nation subiu quase 15% e o Wynn Resorts 28%. As ações dos proprietários de edifícios comerciais também aumentaram drasticamente. A Vornado Realty Trust subiu 27%, enquanto a SL Green, com foco em Manhattan, saltou 37%.

“Se os dados da vacina forem legítimos, poderemos ver um retorno ao trabalho de escritório”, disse Randy Watts, diretor de investimentos da O’Neil Global Advisors, uma empresa de consultoria financeira.

Leia também: Bilionários da tecnologia saem vitoriosos das eleições nos EUA

Empresas que cresceram na pandemia tiveram queda

Por outro lado, os investidores se desfizeram das ações das empresas que passaram a definir a economia pandêmica. Peloton despencou mais de 20%, Zoom e Etsy despencaram 17%, e Shopify caiu quase 14%.

Apesar das grandes movimentações do mercado na segunda-feira, vários analistas sugeriram que havia razões para os investidores serem cautelosos. Os preços das ações tiveram uma enorme reviravolta, subindo quase 9% em seis pregões.

“Esses são os tipos de movimentos que tendem a ficar sem gás se os dados subjacentes não confirmarem rapidamente o entusiasmo”, disse Lisa Shalett, diretora de investimentos do Morgan Stanley Wealth Management.

Joe Biden
Joe Biden ainda não sabe em que situação de combate ao coronavírus receberá o governo dos EUA. (Erin Schall/ The New York Times)

Nova onda de coronavírus é uma ameaça. Mesmo com vacina

No curto prazo, os dados sobre o crescimento do vírus nos Estados Unidos estão claramente indo na direção errada. A contagem de casos atingiu níveis recordes nos últimos dias e continua a apresentar mais de 100.000 novas infecções por dia. Vários analistas dizem que a disseminação desenfreada do vírus pode levar a um retorno das restrições que podem prejudicar a economia dos EUA nos próximos meses.

Apesar da atualização encorajadora da Pfizer, há uma incerteza considerável sobre o caminho a seguir para a vacina. Cientistas independentes alertaram contra a promoção de resultados iniciais sem dados adequados de segurança e eficácia em longo prazo. Ainda não está claro por quanto tempo a proteção da vacina Pfizer pode durar contra o vírus. E mesmo se a droga for aprovada, a produção e distribuição de centenas de milhões de doses serão desafios assustadores.

“A diferença entre ter uma vacinação e 330 milhões de vacinas é enorme”, disse Scott Clemons, estrategista-chefe de investimentos para bancos privados do Brown Brothers Harriman, um banco de investimento. “Então você ainda tem a possibilidade de mais fraqueza econômica, talvez até a possibilidade de uma recessão de duplo mergulho até que a vacina esteja disponível.”

Leia também: Ant Group: por dentro da caos da suspensão do IPO

Invista com TAXA ZERO de corretagem por 3 meses. Abra sua conta na Ágora Investimentos

Informe seu e-mail

Faça com que esse conteúdo ajude mais investidores. Compartilhe com os seus contatos